Fórum Teles Pires realiza encontro no dia 5 de outubro, em Alta Floresta

Fórum Teles Pires realiza encontro no dia 5 de outubro, em Alta Floresta

cartaz_encontro_forum_afManifestações culturais e mobilizações socioambientais dos povos indígenas Apiaká, Kaiabi e Munduruku, da região Norte de Mato Grosso, serão destaques da segunda edição do Fórum Teles Pires – Somos Todos Atingidos, marcada para o dia 5 de outubro, a partir das 17h, no Teatro Experimental de Alta Floresta (TEAF), em Alta Floresta, Mato Grosso. O encontro é aberto ao público e reunirá representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), entre outros segmentos integrantes do Fórum, e terá a participação especial de um membro da Federação dos Povos e Organizações Indígenas do Mato Grosso (FEPOIMT). A primeira edição deste ano, ocorreu nos dias 19 e 20 de agosto, em Sinop.

A programação contará com uma feira cultural e o lançamento local e sorteio de exemplares do livro Ocekadi: Hidrelétricas, Conflitos Socioambientais e Resistência na Bacia do Tapajós, do qual o Teles Pires faz parte, como também o rio Juruena, na região noroeste do Estado.  Na língua Munduruku, Ocekadi significa “nosso rio”. A atração audiovisual da noite será o vídeodocumentário O Complexo, que apresenta depoimentos de especialistas e atingidos por empreendimentos no Teles Pires. Após as apresentações, será realizada uma roda de diálogo entre as populações atingidas por empreendimentos hidrelétricos e o público. As obras têm o apoio do Instituto Centro de Vida (ICV) e do International Rivers (IR) – Brasil, entre outras organizações, que estarão representadas no evento.

Veja também:

Impactos de Hidrelétricas na Bacia do Tapajós são debatidos na Câmara dos Deputados e na UnB, em Brasília
Contexto de projetos e impactos de hidrelétricas em livro e documentário servem de reflexão em Mato Grosso e no Pará
Primeiro lançamento do livro Ocekadi: Hidrelétricas, Conflitos Socioambientais e Resistência na Bacia do Tapajós, em Mato Grosso, leva público à reflexão
Ocekadi: Hidrelétricas, Conflitos Socioambientais e Resistência na Bacia do Tapajós traz uma análise de mais de 50 autores em 25 artigos