Projetos Especiais

Redes Socioprodutivas

O projeto Redes Socioprodutivas é uma iniciativa do Instituto Centro de Vida apoiado pelo Fundo Amazônia/BNDES. Iniciado em janeiro de 2018 possui previsão de execução de 30 meses e foco em 6 cadeias socioprodutivas – Castanha, Babaçu, Hortifrutigranjeiros, Leite, Cacau e Café. A iniciativa atuará diretamente com associações e cooperativas de agricultores familiares distribuídos nos municípios do Norte (Alta Floresta, Paranaíta, Nova Monte Verde e Nova Bandeirantes) e Noroeste (Cotriguaçu e Colniza) em Mato grosso.

As associações e cooperativas parceiras da proposta já atuam nas cadeias produtivas prioritárias para o projeto, e estão em estágio de potencializar sua produção e de realizar ações em rede, buscando encontrar soluções para desafios cotidianos. Assim, as atividades do projeto estão vinculadas às diferentes etapas das cadeias (da produção ao consumo), no fortalecimento da gestão das organizações envolvidas, no incentivo a pesquisa e políticas públicas. O objetivo é que os grupos comunitários e suas práticas de produção sustentável sejam fortalecidos contribuindo na melhoria de vida dos agricultores e na manutenção das florestas. Ou seja, o projeto visa garantir que as atividades produtivas que mantém a floresta em pé tenham atratividade econômica e social para os agricultores familiares.

Conheça o Projeto Redes Socioprodutivas


Clique para acessar

REM/MT Subprograma
Territórios Indígenas

Em dezembro de 2018, os 43 povos indígenas de Mato Grosso concluíram a proposta do Subprograma Territórios Indígenas para o Programa de Redução das Emissões do Desmatamento e da Degradação REDD+ Early Movers de Mato Grosso.

O Instituto Centro de Vida acompanhou essa história desde a captação dos recursos internacionais e apoiou a construção do subprograma, por meio de ações de capacitação, apoio técnico e facilitação do processo liderado pela Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (FEPOIMT).

Conheça todos os passos, registros e documentos da iniciativa (link para a página de detalhe do projeto)


Clique para acessar

Complexo Teles Pires

Os Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Teles Pires aprovados pela Aneel iniciaram em julho de 2006. Além das usinas de São Manoel e Teles Pires o estudo trazia um conjunto de outras quatro usinas hidrelétricas planejadas para serem construídas ao longo do rio. As UHEs Colider e Sinop, estão em fase avançada de construção. As usinas Magesse e Foz do Apiacás ainda não saíram do papel. Juntas elas formam o ‘Complexo Teles Pires’, que totaliza uma geração de cerca de 3.600 megawatts (MW).

Confira linha do tempo que sistematiza pontos chaves sobre as duas principais usinas hidrelétricas que existem no rio Teles Pires, em funcionamento. Processos do licenciamento ambiental atropelados, violações cometidas contra as populações e a biodiversidade e as ações civis públicas movidas pelo Ministério Público Federal evidenciam não apenas os danos causados na região, mas nos ajuda a questionar o direcionamento das políticas energéticas e a propor a energia que queremos.

Veja a linha do tempo sobre as duas principais usinas hidrelétricas em funcionamento no rio Teles Pires (Link para página de detalhe do projeto)


Clique para acessar

Projeto SAF para Corredores Ecológicos

O projeto SAF para Corredores Ecológicos– é  fruto de convênio com o Ministério da Justiça para a restauração florestal de áreas de preservação permanente (APP) degradadas no município. O objetivo é trabalhar a conectividade dos fragmentos florestais na paisagem, servindo de ferramenta para conservar e melhorar a produção e oferta de água em propriedades da agricultura familiar em Alta Floresta/MT.

Atualmente, o município de Alta Floresta, localizada no Extremo norte do estado de Mato Grosso, apresenta 14.631 hectares de áreas de preservação permanente degradadas. Por serem áreas prioritárias, tanto pela manutenção do potencial hídrico quanto pela função de conectividade de paisagem e de corredor ecológico, necessitam de uma atenção especial e urgente para sua recuperação.

Saiba mais sobre o Projeto SAF para Corredores Ecológicos


Clique para acessar

Programa Novo Campo

O Programa Novo Campo promove práticas sustentáveis em fazendas de pecuária na Amazônia, melhorando o seu desempenho econômico, social e ambiental. Com isso, contribui para reduzir o desmatamento, conservar ou recuperar os recursos naturais e fortalecer a economia local.

O ICV iniciou, em 2012, um projeto piloto de promoção das boas práticas na pecuária bovina em 14 propriedades da região de Alta Floresta, maior polo de pecuária no norte de Mato Grosso. Nessas fazendas, foi testado um novo modelo produtivo de gestão integrada da propriedade.

As intervenções foram baseadas na aplicação das Boas Práticas Agropecuárias (BPA) para Gado de Corte, da Embrapa. Os resultados demonstraram a viabilidade desse modelo, com forte melhora na produtividade, lucratividade, qualidade da produção e sustentabilidade ambiental.

Saiba mais sobre o Programa Novo Campo


Clique para acessar

© 2020 - Conteúdo sob licenciamento Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil ICV - Instituto Centro de Vida

Desenvolvido por Matiz Caboclo