ICV repudia assassinato do militante da agroecologia Edmar Rodrigues Branco

ICV repudia assassinato do militante da agroecologia Edmar Rodrigues Branco

O Instituto Centro de Vida (ICV) vem a público manifestar repúdio e pesar diante da notícia do brutal assassinato do ex-agente da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Edmar Valdinei Rodrigues Branco, de 59 anos, ocorrido na semana passada, na zona rural da Chapada dos Guimarães.

Ativo militante da causa ambiental, Edmar era um defensor da agroecologia e da produção livre de desmatamento e agrotóxicos.

Entre suas lutas, estão a defesa dos atingidos pela barragem da Usina de Manso e o movimento pela regularização do assentamento da Gleba Jangada Roncador, onde vivia.

“Sempre lutou em defesa dos Direitos Humanos, em defesa da terra, das águas e das florestas”, afirmou a CPT, em nota sobre o ocorrido.

Enquanto se solidariza com amigos e familiares da vítima, o ICV cobra pronta resposta das autoridades competentes para sejam identificados os autores, eventuais mandantes e a motivação do crime.

Clique aqui e confira a nota pública da CPT. 

Conflitos no Campo

Segundo o relatório de conflitos no campo da Comissão Pastoral da Terra (CPT), os conflitos no campo aumentaram Mato Grosso, que registrou dois casos de assassinatos e aumento no número de ataques de pistoleiros. Em 2018, 663 famílias foram despejadas, 550 expulsas, 1.164 famílias vítimas de pistolagem, 1.904 conflitos por terras indígenas, além de 1.674 trabalhadores sem-terra envolvidos em conflitos no estado.

Em fevereiro, o líder do Projeto PDS Rio Jatobá, Carlos Antônio dos Santos, mais conhecido como “Carlão”, foi morto a tiros em frente a Prefeitura de Paranatinga. Em outubro, o líder da Terra Indígena Kawahiva do Rio Pardo Erivelton Tenharin foi assassinado e Cleomar Tenharim gravemente ferido em um conflito envolvendo servidores da Fundação Nacional do índio (FUNAI). No ano anterior, nove posseiros foram brutalmente assassinados em seus barracos no mesmo município.