10 abr 2015
Notícias

Gessi: 17 anos de relação com a terra amazônica

Autor: Assessoria de comunicação

Compartilhe nas redes sociais
Galeria de Imagens: clique para ver em tela cheia

O agricultor familiar Gessi Alves Ribeiro mantém a simplicidade da vida no campo. Foto: Sucena Shkrada Resk/ICV

O agricultor familiar Gessi Alves Ribeiro mantém a simplicidade da vida no campo. Foto: Sucena Shkrada Resk/ICV

Sucena Shkrada Resk/ICV

“Temos nossa roça e oito nascentes conservadas, porque precisamos de água potável e deixar a mata ciliar crescer…Largar essa vida, nem pensar. Aqui a gente fica tranquilo. Se passo três dias na rua, fico doido para voltar para casa”, afirma o agricultor familiar Gessi Alves Ribeiro, 66 anos, que vive há 17 anos na comunidade Santa Clara, no Projeto de Assentamento (PA) Nova Cotriguaçu, no município de Cotriguaçu, no Noroeste de Mato Grosso, Amazônia.

Ao redor de sua casa modesta de madeira, junto com sua esposa e companheira de trabalho Aldair da Silva Ribeiro, com quem vive há quatro décadas, o agricultor ajuda a cultivar flores e frutíferas, como cacau e manga, além de hortaliças. “Minha esposa gosta de ter um jardim na porta e eu zelo por isso”, diz. Em outra parte do sítio, o casal deixou a mata crescer ‘naturalmente’.

Com fala mansa, Ribeiro afirma que tudo tem seu tempo. Esta é sua filosofia de vida e cita como exemplo as próprias mudanças que teve em seu cotidiano – “Por nove anos, vivemos por aqui sem energia, à base de lampião e há oito decidi instalar energia solar por iniciativa própria”, conta o baiano, pai de seis filhos e avô de trezes netos. Antes, ele revela que sabia das notícias por meio do seu “radinho de pilha”. “Faz cinco anos que comecei a assistir TV”, afirma.

O trabalho com a terra faz parte do dia a dia do "senhor Gessi". Foto: Sucena Shkrada Resk/ICV

O trabalho com a terra faz parte do dia a dia do “senhor Gessi”. Foto: Sucena Shkrada Resk/ICV

É nessa rotina modesta que “senhor Gessi”, como é popularmente conhecido, se sente bem. O agricultor conta que diminuiu a intensidade do trabalho, nos últimos anos, mas mantém cultivos para a subsistência, como arroz, milho e feijão. Nos momentos de descanso, não é difícil flagrá-lo com o olhar distante, debruçado na janela de sua casa de madeira, ao lado de uma das netas. Nessas horas, a memória vai longe, faz uma volta ao tempo, desde sua vivência na lavoura, no estado de Rondônia, quando começou a cultivar café. “De lá para cá, foram muitas sacas. Aqui, em Cotriguaçu, chegamos a ter uma safra muito boa, com 15 sacas”, diz.

“Senhor Gessi” integra o grupo de famílias de agricultores familiares na Associação de Pequenos Produtores Rurais de Santa Clara, que recebe assessoria técnica do Instituto Centro de Vida (ICV) e parceiros, no Projeto Noroeste: território sustentável, com apoio do Fundo Vale. A principal meta do projeto é fortalecer e consolidar o noroeste de Mato Grosso como um território florestal, por meio do incentivo e da disseminação de soluções produtivas sustentáveis e com boa governança socioambiental.

Veja também:

Da terra ao doce: o processo do valor agregado

Maria Margarida: uma relação harmoniosa com a terra

Tags

Leia também...

© 2020 - Conteúdo sob licenciamento Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil ICV - Instituto Centro de Vida

Desenvolvido por Matiz Caboclo