25 nov 2013
Notícias

Plano de negócios profissionaliza viveiro de mudas em assentamento rural de Diamantino

Autor: Assessoria de comunicação

Compartilhe nas redes sociais
Viveiro no PA Peraputanga, em Diamantino. Foto: Arquivo ICV

Viveiro no PA Peraputanga, em Diamantino. Foto: Arquivo ICV

Djhuliana Mundel / ICV

Um negócio com a missão de produzir mudas nativas e frutíferas, trabalhando em coletividade, enriquecendo os quintais, gerando renda e preservação ambiental. Esse é o objetivo do Viveiro Floresta Viva, elaborado e mantido por moradores do Projeto de Assentamento Peraputanga, localizado no município de Diamantino, na Bacia do Alto Paraguai (BAP).

O viveiro, que ocupa uma área total de 3.600 m² com capacidade para produção de 70 mil mudas, teve seu Plano de Negócios validado pela comunidade no início deste mês. Ele serve como base para o funcionamento do viveiro e foi elaborado pela comunidade com o apoio técnico do Instituto Centro de Vida (ICV). Camila Horiye Rodrigues, coordenadora da Iniciativa Desenvolvimento Rural Comunitário do ICV, explica que o plano serve para guiar as ações do empreendimento. “O plano profissionalizou o trabalho da comunidade, auxiliando no planejamento das ações futuras, calculando preços, custo de produção e identificando fraquezas e oportunidades”, disse.

Dentre os clientes do viveiro estão proprietários de áreas particulares, prefeituras municipais e organizações da sociedade civil, como o ICV, que utiliza as mudas no projeto de recuperação de áreas degradadas que desenvolve na região.

O viveiro está sendo regulamentado junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e, de acordo com a nova lei de sementes e mudas, poderá emitir nota fiscal. Para isso, Camila de Oliveira, engenheira florestal, junto com os técnicos do ICV ficarão responsáveis.

Plantio em mutirão

Entre os dias 18 e 21 de novembro, foi realizado um mutirão de plantio para enriquecimento de recuperação de Áreas de Preservação Permanente (APP) nos assentamentos Raimundo Rocha e Capão Verde, na região da bacia. Para isso, foram utilizados mais de 130 quilos de sementes de várias espécies, coletadas pelos agricultores do PA Peraputanga e do PA Caeté. João Gilberto Milanez, educador de Práticas Sustentáveis do ICV explica as sementes foram utilizadas em 0,7 hectares, pois o objetivo é fazer um adensamento maior de plantas.

O projeto

As atividades desenvolvidas em municípios da bacia do Alto Paraguai fazem parte do Projeto Conservação das cabeceiras do Paraguai, desenvolvido pelo ICV com apoio da Ecossystem Alliance.

Saiba mais sobre o Viveiro Floresta Viva na página do grupo no Facebook.

Categorias

Tags

Leia também...

© 2020 - Conteúdo sob licenciamento Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil ICV - Instituto Centro de Vida

Desenvolvido por Matiz Caboclo